A parábola da maçã – Uma história que ensina uma lição valiosa

A parábola da maçã – Uma história que ensina uma lição valiosa

Em uma escola, uma professora segurou duas maçãs idênticas em suas mãos, no entanto, antes de entrar na sala de aula, ela deixou cair uma das maçãs repetidamente no chão. Quando ela apresentou as duas maçãs aos alunos, foi impossível dizer a diferença entre as duas, ambas pareciam perfeitas, vermelhas e suculentas, aos olhos de todos.

Após alguns segundos, ela pegou a maçã que secretamente deixou cair no chão e disse aos alunos o quanto ela não gostava dessa maçã, que era nojenta, de cor terrível e seu caule era muito curto. A professora continuou, dizendo aos alunos que, como ela não gostava desta maçã, eles também não deveriam gostar e, em seguida, passou a maçã para que eles também pudessem dizer coisas desagradáveis ​​para ela.

Alguns dos alunos pareciam confusos, mas havia muitos que não tinham problema em ser maldosos com a maçã dizendo coisas como: “Eu nem sei porque você existe”, “Você provavelmente tem minhocas dentro de você”. 

Então a professora passou a segunda maçã entre os colegas, e desta vez uma trilha de boas palavras se dirigiu a ela: “Você é uma maçã linda”, ” Sua cor é linda”, “Você cheira bem”, etc.  

No final da rodada de elogios, a professora ergueu as duas maçãs que ainda pareciam exatamente iguais, e ela e os alunos tiveram uma conversa produtiva sobre as semelhanças e diferenças entre as duas.

Finalmente, a professora segurou uma faca em sua mão e começou a cortar cuidadosamente as maçãs em duas metades. A segunda maçã, que recebeu elogios e amor, era linda, fresca e suculenta até por dentro. Por outro lado, a maçã caída estava machucada e sua cor interna mudou completamente. 

As crianças se sentiram péssimas diante do que viram e compreenderam em um momento a mensagem que a professora queria lhes ensinar; as pessoas que sofrem bullying se parecem com todas as outras por fora, mas têm cicatrizes e são feridas por dentro.

As pessoas que sofrem bullying, especialmente crianças, se sentem mal por dentro e geralmente não compartilham seus sentimentos com os outros. Se a professora não cortasse a maçã, nunca saberíamos quanta “dor” e “dor” lhe causaram. 

No entanto, ao contrário da maçã, temos a capacidade de fazer com que essas coisas parem de acontecer. Podemos ensinar que não é certo dizer coisas maldosas para outras crianças e ensinar sobre os efeitos nocivos que a violência verbal cria. 

Podemos dar um passo adiante e ensiná-los a defender a criança que está sofrendo bullying, e podemos até mesmo compartilhar nossas próprias experiências de nos sentirmos pequenos ou provocados.

Devemos unir forças como pais para criar uma geração de filhos atenciosos que não ajudam em nenhuma forma de bullying e, ao fazer isso, podemos fazer com que esse fenômeno desapareça. 

Explique ao seu filho que embora nossa língua não tenha ossos ou força, ela tem o poder de partir corações, por isso é melhor pensar antes de falar e escolher ser bom para as pessoas. Você pode fazer este experimento para ilustrar esta mensagem importante.

Deixe uma resposta