Eu sou uma mãe, uma mãe ruim e eu não me importo

Você está visualizando atualmente Eu sou uma mãe, uma mãe ruim e eu não me importo

Sou uma mãe ruim, mas não me importo e aqui darei os motivos!

Eu sou mãe. Mas sou uma péssima mãe. E eu não me importo. Sim, você entendeu corretamente. Sou mau porque quero que meus filhos sigam as regras.

Porque eu os castigo quando não o fazem, privando-os do entretenimento, daquele presente extra, de um programa de TV.

Sou ruim porque quero que eles me ajudem nas tarefas domésticas.

Eles querem fazer suas pequenas tarefas mesmo quando estão cansados. Cansado de jogar muito tempo ou de passar a tarde em frente à TV.

Sou uma mãe ruim porque digo não.

Ah, eu falo muito. Falo o que é certo, necessário. 

Sou uma péssima mãe porque os forço a dormir cedo.

Depois do jantar, depois de um pouco de diversão, quero vê-los na cama, com os tablets e celulares desligados. 

Porque quero que aprendam que a coragem nada mais é do que o filho do medo.

Sou má porque não deixo eles comerem baldes de doce, porque insisto que comam  fruta.

Porque eu também não gosto de nada verde, mas vamos comer todos juntos.

Sou ruim, muito ruim,  porque faço eles lerem livros. Porque nunca esqueço de incluí-los entre os presentes de Natal.

Porque assim que terminarmos de ler, quero que discutamos o assunto juntos.

Sou terrivelmente cruel porque os forço a usar capacetes quando andam de bicicleta, mesmo que odeiem.

E eu serei ruim amanhã também. Quando eu não permitir que eles bebam álcool, não vou querer vê-los assistir a programas e filmes violentos. Não quero ouvi-los usar linguagem vulgar e ofensiva.

Sou uma péssima mãe porque não darei aos meus filhos tudo o que eles querem.

Mas usarei, se necessário, cada grama de força, todos os meus bens, à minha própria vida para nunca deixar que lhes falte o necessário. O que é útil e sobretudo tudo o que é indispensável.

Eu sou uma mãe ruim? Eu não estou interessada na opinião de ninguém.

Talvez minhas decisões não sejam e nem sempre estarão certas, minhas escolhas podem acabar sendo erradas, mas são e sempre serão ditadas pelo amor aos meus filhos.

Eu te amo, eu te protejo. Eu cuido de você. Lutarei ao seu lado todas as batalhas úteis ou necessárias.

Lutarei para te dar a vida que você merece: uma vida digna e o nome de Homens e Mulheres.

E se para conseguir tudo isso serei chamada de mãe ruim, mesmo que às vezes vocês sejam e serão vocês que digam isso, não me importo.

Eu chamo isso de amor. Eu chamo isso de respeito pela sua vida.

E você, acha que sou uma péssima mãe? Ou vocês são mães e pais “ruins” como eu?

Deixe um comentário