“Eu Odeio Minha Vida” – Leia Isso Se Você Cansou De Tudo

“Eu Odeio Minha Vida” – Leia Isso Se Você Cansou De Tudo

“Eu odeio minha vida”

Você tem dito isso ultimamente?

A vida é dura. E quando uma nuvem negra se instala sobre nós, pode parecer muito difícil.

Mas a verdade é esta:

Você não está sozinho.

Todos nós temos momentos de desespero. Até mesmo Buda disse que “a dor é inevitável”.

Sim, algumas pessoas têm uma vida muito mais difícil do que outras. Mas todo mundo experimenta tribulações.

Mas, por mais desesperado e inútil que você se sinta agora, as coisas podem mudar.

Podemos aprender as ferramentas e técnicas para nos ajudar a passar pelos piores momentos da vida.

De acordo com 35 anos de pesquisa do Dr. Salvatore no Hardiness Institute, o quão bem nós fazemos na vida não tem nada a ver com dinheiro ou quantas circunstâncias difíceis enfrentamos.

Em vez disso, tem a ver com o emocional resiliente que somos.

A melhor parte?

Todos podemos aprender a nos tornar mais resilientes.

Com a nossa mentalidade, podemos mudar a forma como vemos o mundo. Podemos mudar a forma como vemos a nossa dor e podemos criar uma vida focada em significado e propósito.

Então, pare de dizer “eu odeio a minha vida” e, em vez disso, crie uma vida que você ama, confira abaixo as dicas.

1) De quem é a vida que você está vivendo?

Muitas pessoas que dizem “eu odeio a minha vida” não estão seguindo o caminho desejado.

Em vez disso, eles estão levando uma vida que eles acham que “deveriam” viver com base na sociedade ou nas expectativas da família.

Mas, para criar uma vida que amamos, precisamos pensar sobre o que realmente queremos fazer, fora das influências da sociedade ou da família.

Porque a verdade é esta:

A vida pode se tornar bastante limitante quando se espera que você esteja em conformidade com uma pequena caixa de expectativas.

Então, a questão é: como podemos distinguir nossas verdadeiras vontades e desejos das influências externas?

Algumas pessoas parecem ter nascido com um senso definido de propósito de vida.

Mas para a maioria de nós, não temos muita sorte.

Muitas pessoas vão nessa busca incessante de propósito, mas nunca chegam a lugar nenhum.

Por quê?

Porque é assumido que o propósito é algo que existe no futuro e que precisamos nos esforçar.

Mas a vida nunca é tão simples assim.

Em vez disso, nosso propósito deve vir de nossos valores e de como queremos viver a vida. Não é um lugar para chegar.

Quando você pensa no seu propósito dessa maneira, ele se torna mais viável. Você vai aproveitar a vida muito mais também.

Pergunte a si mesmo estas 8 perguntas estranhas:

1) Em que você era apaixonada quando criança? 
2) Se você não tivesse um emprego, como você escolheria preencher suas horas?
3) O que faz você esquecer o mundo ao seu redor?
4) Que questões você mantém perto do seu coração?
5) Com quem você gasta tempo e sobre o que você fala?
6) O que está na sua lista de desejos?
7) Se você tivesse um sonho, você poderia fazer isso acontecer?
8) Quais são os sentimentos que você deseja agora?

Depois de descobrir o seu propósito e como você quer viver a vida, anote as ações que você precisa tomar a cada dia.

Lembre-se, é através de nossos hábitos e ações todos os dias que criaremos mudanças a longo prazo.

2) Enfrente seu crítico interno

Não importa quem você é, há uma coisa que permanece verdadeira:

Você é seu pior crítico.

Não é seu estrito professor ou seu patrão autoritário – e nem mesmo esse grupo popular e esnobe de sua classe ou trabalho.

Porque o que os outros têm a dizer, depende de você acreditar ou não.

E você sabe o que é pior?

Você pode se sentir mal sem que os outros façam comentários maldosos.

O crítico interior é mais do que capaz de fazer isso. Porque uma vez que você está sozinho em seu quarto, há silêncio. É o momento perfeito para pensamentos negativos entrarem e lotarem sua mente.

Seu crítico interior é o motivo pelo qual você quer o ruído da TV no fundo ou uma lista aleatória do Spotify.

Então, como você combate algo que é parte de você?

Existem duas maneiras:

Primeiro, deixe que outras vozes falem.

Claro, esse crítico interior está lhe dizendo como a vida é inútil e que não há nada que você possa fazer sobre isso.

Mas e daí?

Há outras partes em seu subconsciente que te vêem em uma luz muito melhor. Enquanto seu crítico interno zomba de você por se formar sem honrarias, essas vozes vêem se graduando como um marco digno.

Você é um ser complexo.

Assim, você deve ser capaz de olhar para si mesmo de várias maneiras. Para todo crítico duro, há alguém torcendo por você, pronto para aplaudir de pé.

Segundo, trate a si mesmo como um possível aliado.

Por quê?

Porque algumas vozes internas têm um grão de verdade em suas observações – o problema é que elas são muito duras em sua abordagem.

Veja o que você precisa fazer:

1) Observe o que sua voz interior reclama mais. 
2) Relaxe, respire fundo e deite.
3) Identifique se existe uma razão real para você dizer “eu odeio minha vida!” O tempo todo.
4) Se não houver nenhuma, desconsidere seu crítico interior; se houver, faça um plano.
5) Dê um passo de cada vez para atingir as metas que você definiu para si mesmo.

Assim, mesmo que você não possa ser o melhor dos seus amigos com seu crítico interior, você pode aprender algo com ele.

3) Dê seu tempo para os outros

A autoestima é um conceito importante.

Por quê?

Para ser justo, é simplesmente você avaliar o seu próprio eu.

E ainda, se você tem alta ou baixa autoestima depende de fatores que diferem de uma pessoa para outra – é uma questão complexa e psicológica.

Sua autoestima é o que pode fazer você ir dizendo “Esta é a vida!” Para gritar “Tudo é terrível e eu odeio a minha vida!”

Mas como você pode manter uma autoestima saudável?

A resposta está em mudar a maneira como você avalia seu valor.

Pergunte a si mesmo:

“Quais são as coisas que me fazem sentir bem comigo mesmo?”

Suas respostas podem incluir um ou todos estes:

 Sua aparência 
 Seu talento e habilidades
 Seus sucessos na vida, de medalhas e troféus para aquela cobiçada promoção de emprego.

Não há nada inerentemente errado na avaliação desses aspectos. Você deve se orgulhar de sua sagacidade e boa saúde física, e é bom comemorar o sucesso de vez em quando.

Mas há uma pegadinha:

Estes são fatores etéreos ou coisas que perdem valor a longo prazo.

Como todo mundo, você envelhecerá.

Você inevitavelmente se tornará mais fraco e desenvolverá rugas. Você terá problemas com memória e desempenho à medida que envelhece.

E por fim:

Suas conquistas nem sempre parecem tão grandiosas e afirmativas quanto o momento em que você as obteve.

Se você quer continuar pensando em “eu odeio minha vida” o tempo todo, você deve mudar sua fonte de confiança e felicidade.

O que você deveria fazer?

Seja uma boa pessoa para outras pessoas.

Dessa forma, você se vê nos outros – não é mais apenas sobre sua aparência ou troféus.

Você vê, a sabedoria, o conhecimento e o tempo que você compartilha nunca perdem seu valor. Na verdade, eles se tornam inestimáveis ​​à medida que mais e mais pessoas se beneficiam de seus atos de bondade.

Lembre-se destas linhas poderosas:

“Seja a pessoa que você quer conhecer.” 
“Seja a pessoa que seu cão pensa que você é.”

E o melhor de tudo:

“Seja a pessoa que você pensava que queria ser quando era mais jovem.”

Talvez você aprecie a vida mais uma vez que você alocar tempo para seus hobbies novamente:

– Leia um livro 
 Pinte uma paisagem
 Jogue um videogame
– Prepare um novo prato toda sexta à noite

E, claro, prestar serviço aos outros é sempre uma coisa gratificante.

A próxima vez que você estiver preocupado com os pensamentos “Eu odeio minha vida” e coisas do tipo, lembre-se:

Está tudo na sua cabeça – você não está sozinho.

A vida não é toda sobre as coisas ruins.

E, finalmente, nunca é tarde demais para procurar ajuda e se esforçar para se ver em uma luz melhor.

Deixe uma resposta