Você pode ser para seus filhos a mãe ou o pai que gostaria de ter…

Você pode ser para seus filhos a mãe ou o pai que gostaria de ter…

Às vezes consideramos que nossa infância foi complicada e que o que vivemos pode ter nos marcado de tal forma que não nos sentimos confiantes de que podemos ser os melhores pais para nossos filhos. Mesmo alguns que tiveram uma infância particularmente marcada pelo sofrimento optam por não ter filhos.

No entanto, os padrões parentais não precisam ser repetidos. Para cumprir nosso papel de pais, não precisamos basear o que queremos transmitir e sobre o qual queremos construir uma família com base no que vivemos.

Modelos ou antimodelos:

Nossos pais podem ser nossos modelos nas coisas que nos fizeram bem e os antimodelos em tudo que nos prejudicou. Não temos que repetir nada, se criarmos conscientemente, podemos descartar tudo o que nos leva a ser os pais que tivemos.

Podemos ser o tipo de pai de que precisamos e não tivemos. Se nos sentirmos negligenciados, podemos cuidar de nossos filhos, garantindo que eles nunca sintam aquele vazio emocional que pode ter nos marcado.

Se sofremos abusos, não precisamos ter medo de que isso ocorra com nossos filhos. Quando éramos pequenos não tínhamos muitas opções diante do que vivíamos, mas à medida que crescemos somos os únicos responsáveis ​​por decidir com as informações e experiências que temos. Podemos criar no quadro de respeito e amor, podemos ser um refúgio e contenção para nossos filhos.

Se tivemos uma formação autoritária, onde a nossa voz não foi ouvida, onde tudo foi feito como nos foi imposto e não houve espaços para nos expressarmos, podemos ser pais que não impõem respeito pelo autoritarismo. Podemos promover a democracia na família, dar aos nossos filhos voz e voto para se expressar, podemos abrir canais de comunicação adaptados às diferentes etapas, baseando a educação no respeito e não no medo.

Assim podemos percorrer todos os modelos parentais que normalmente deixam consequências negativas nos filhos, lembrando que não devemos coincidir com esse padrão, mas sim quebrá-lo e nos aproximar de ser os pais que poderíamos desejar.

Uma das coisas certas, como pais, é que cometeremos erros!

Como pais, podemos cometer muitos erros, na verdade tantos, que talvez não valha a pena repetir os que nossos pais cometeram. Às vezes, não importa quanto esforço colocamos nisso, porque podemos ter filhos que estão igualmente destroçados com essa educação. Porque nada garante que façamos as coisas não só bem, mas da maneira certa que nosso filho precisa.

Podemos até criar vários filhos e eles refletem resultados muito diferentes e têm avaliações muito diferentes em relação à educação que receberam. O que pode nos dar moderadamente a certeza de que estamos treinando pessoas que serão capazes de funcionar no futuro sem grandes traumas gerados durante a infância, é monitorar seu nível de felicidade.

Aproveitando a tenra idade de nossos filhos

As crianças são basicamente felizes, não é muito o que devemos fazer para manter esse estado e, para nossa maior vantagem, os primeiros anos de uma criança determinam em grande parte o que ela levará para a vida adulta. Portanto, devemos aproveitar esses primeiros 6 ou 7 anos para tentar embelezar a vida, reforçar sua autoestima de maneira especial e fazê-los entender que são seres especiais, capazes de ser, fazer e ter o que propõem na vida.

Então, com o passar do tempo, as necessidades são diferentes, mas enquanto mantivermos o amor como moldura e buscarmos sua felicidade como diretriz, certamente faremos muito bem como pais. 

Existe uma coisa que se chama instinto e é aquela parte de nós que sabe exatamente o que fazer… vamos aprender a ouvi-la e seremos os pais que talvez quiséssemos ter ou mesmo superar essas expectativas.

Deixe uma resposta