5 Hábitos tóxicos que estão matando sua criatividade

5 Hábitos tóxicos que estão matando sua criatividade

O pensamento criativo vem naturalmente, todos nascemos criativos. A criatividade flui em nós por conta própria, assim como a respiração, e sabemos quando o fluxo é forte.

Momentos de criatividade são bons, como se estivéssemos conectados e ligados. Naquele momento o que estamos fazendo se torna fácil, motivador, satisfatório e até distorce nossa percepção do tempo.

Hábitos que estão matando sua criatividade

O problema é que você mesmo pode sabotar sua própria criatividade,  às vezes, mesmo sem perceber. Certos hábitos e crenças podem estar sufocando seu fluxo criativo.

Felizmente, para que o rio da criatividade volte a fluir, tudo que você precisa fazer é sair do seu próprio caminho.

Se você abandonar até mesmo um desses hábitos, sentirá sua criatividade aumentar tremendamente. E uma vez que seu pensamento criativo comece a fluir novamente, se torna muito mais fácil desistir do resto das coisas desta lista.

1. Estar rodeado por pessoas negativas

Estar rodeado de pessoas negativas que não agregam nenhum valor a sua vida e só tentam te desanimar, é um dos piores sabotadores de criatividade. Afinal, quando estamos com pessoas assim, tudo o que falamos e expressamos nunca estará bom e eles estarão lá, prontos para te criticar e te fazer desistir.

Procure estar com quem apoia suas ideias, estimula ainda mais a sua criatividade e está sempre pronto para te incentivar em quaisquer que sejam suas decisões.

2. Uso constante de celular

Vivemos em um mundo de distrações. Levamos nossos celulares para qualquer lugar que vamos, como qualquer ferramenta, podemos usá-los para ampliar nossa criatividade ou também para sabotá-la.

Nos Estados Unidos, um estudo confirmou que as pessoas passam em média 5 horas por dia em seus celulares. Seja assistindo a uma nova série ou se atualizando sobre as últimas notícias no Facebook, esse tempo quase nunca é usado de uma forma que esteja alinhada com seus maiores objetivos criativos.

Portanto, preste atenção aos seus hábitos no celular e veja onde você está em relação à média. Mas, em vez de remover completamente essa obsessão de sua vida, substitua por suas paixões. Use o tempo que você já gasta no celular em benefício de seus projetos pessoais ou lendo sobre o trabalho de quem você admira.

Quando você está apaixonado por algo, absorva isso. Ficar obcecado com isso. Sua paixão está lhe dizendo onde está a fonte de sua energia criativa e lhe proporcionando um ponto de acesso fácil.

Desista do uso estúpido do celular e substitua por suas paixões. Isso o drenará menos e lhe dará novas maneiras de acessar sua energia criativa.

3. Se apegar ao passado

Em muitas ocasiões, sabemos o que devemos fazer. Sabemos que, se nosso objetivo é escrever um livro, devemos escrever um pouco todos os dias. Sabemos que, se nosso objetivo é ser rico, devemos vender coisas todos os dias.

O problema é que, embora conheçamos os hábitos que conduzem aos nossos objetivos, se esses hábitos não estiverem alinhados com quem sempre fomos, sentiremos uma enorme resistência a eles.

Sentiremos que simplesmente não somos nós, ou mais exatamente, eles não estão alinhados com quem sempre fomos.

Então, como podemos agir de acordo com nossa visão criativa, quando vai contra quem sempre fomos?

Desista do seu passado. Desista da máscara de quem você tem sido. Essa pessoa foi embora. A única razão pela qual você ainda age como se essa pessoa fosse real é porque você escolhe todos os dias acreditar que ela é. Você mesmo recria essa pessoa a cada momento, o que consome a energia que você poderia usar para criar o que precisa ser hoje.

Portanto, pare de usar esta energia para manter seu passado. Deixe de lado tudo o que não lhe serve, tenha em mente que você deve ser para fazer o que deseja fazer, não por outra pessoa, mas por você mesmo.

4. Tentar ser como os outros 

Em um mundo de hiperconectividade, temos centenas de oportunidades todos os dias para nos comparar com os outros. Vemos as realizações de nossos amigos e não podemos parar de pensar em como alcançar aquilo também.

Como seres criativos, levamos isso um pouco mais a sério do que deveríamos e implacavelmente começamos a comparar tudo que criamos com os outros. Sentimos a necessidade incessante de sermos originais.

Para criar uma frase cativante que ninguém leu ou escreveu uma ideia na qual ninguém pensou antes. Mas a verdade é que os humanos existem há cerca de 6 milhões de anos e não restam muitas ideias originais, e não há como provar que uma ideia é 100% original de qualquer maneira.

Portanto, em vez de buscar ser original, é melhor ser autêntico. Às vezes, uma pessoa só precisa ouvir uma lição que foi contada centenas de vezes e interpretá-la de sua própria perspectiva única. Através das lentes de sua história, de sua perspectiva, com sua própria voz, do seu jeito.

Porque não é sobre a lição em si ou quão original é a ideia que você deseja compartilhar, é sobre se alguém lá fora pode ecoar com você quando você está sendo autenticamente você. É tudo o que é preciso para mudar a vida de alguém.

5. Sentir que o mundo lhe deve algo

As pessoas criativas se sentem muito especiais. E este é um sentimento narcisista. Eles acham que os outros devem priorizá-los e que o mundo gira em torno deles. Eles também pensam que o mundo deve algo a eles e que, pelo fato de serem o que são, eles merecem uma recompensa.

Obviamente, ninguém faz isso de propósito. Esse complexo se desenvolve com o tempo. Mas, não há caminho mais rápido para a perda de poder do que se sentir importante.

Então, como você identifica se está sabotando sua criatividade por se sentir muito “privilegiado”?

O que você achou desse post? Se gostou, salve em uma pasta no Pinterest!

Deixe uma resposta