Ao longo da vida, cada um de nós vive 3 amores até encontrar o amor das nossas vidas

Ao longo da vida, cada um de nós vive 3 amores até encontrar o amor das nossas vidas

Ao longo de nossas vidas nos apaixonamos inúmeras vezes, mas só conseguimos encontrar o amor da nossa vida 3 vezes, ou pelo menos é o que dizem alguns especialistas. Os psicólogos sugerem que, após a terceira tentativa, paramos de procurar o amor da nossa vida e passamos a procurar um parceiro para a vida, parece semelhante, mas não é a mesma coisa.

O amor da sua vida geralmente está associado à idealização de uma pessoa, alguém quase perfeito que te eleva ao céu toda vez que você o vê e faz você se sentir apaixonado por mais tempo do que o normal. Você se apega ao fato de que o ama para nunca deixá-lo, entretanto, o amor não é suficiente para manter duas pessoas juntas.

Depois de aprender que a vida é um pouco dura, você começa a procurar o parceiro de vida: Alguém que você também ama, por quem se sente apaixonado, mas que aceita que esse sentimento é apenas temporário, mas que acima de tudo, pode te acompanhar ao longo de sua vida, nos momentos mais difíceis e bonitos.

Esse parceiro de vida é aquele que lhe dirá as coisas que você não quer ouvir, mas que, pelo seu bem, você terá que ouvir. Mas, você vai tolerar isso e entender que só o amor não é suficiente. Portanto, você busca outro amor, outra vida.

Ao longo de nossas vidas, nos apaixonamos e às vezes nos separamos para nos encontrarmos novamente. As pessoas entram em nossa vida e vão embora, e passamos por altos e baixos que nem imaginávamos em um sonho.

1. Amor de conto de fadas

O primeiro amor da sua vida é idealizado e é sobre a busca por um príncipe encantado ou uma princesa que deve ser resgatada. 

Este amor é fantasioso e muitos psicólogos o associam a uma insanidade temporária que se refere ao nosso primeiro encontro com o sentimento de amor. Sendo em si um sentimento puro e não uma decisão sua, o amor costuma terminar de uma forma um tanto trágica e dramática, com muito choro e a difícil aceitação de deixá-lo para trás.

2. Amor complicado

O segundo amor se torna o mais complicado, e é com aquele que acreditamos que será a melhor oportunidade de amar para sempre. Porém, ainda não desenvolvemos conhecimento ou maturidade suficiente para aceitar que, para amar, devemos aprender a conviver com os defeitos do outro. Por causa disso, o amor se torna complicado e tenso.

Podemos ser manipulados e magoados e nos apegar à ideia de que a mesma coisa de antes não nos acontecerá novamente. Mas mais cedo ou mais tarde, e se você tiver o apoio de alguém que te faz ver que não é conveniente para você ficar nesse amor, você vai seguir em frente e vai acabar aceitando que príncipes não existem e que todos os amores têm defeitos.

3. Amor maduro

Por fim, chega um amor maduro, que traz à tona nossa melhor versão e parece ser a mais autêntica. Alguns conseguem permanecer neste tipo de amor, e não é nada mau. Você começa a amar com tudo e com os defeitos e consegue manter vivo o sentimento de estar apaixonado por muito tempo. Mas é apenas quando isso acaba que o amor é posto à prova.

Em geral, nossos relacionamentos anteriores terminavam antes de nos desapaixonarmos e não sabíamos o que era estar com alguém sem estar apaixonado, então agora você aprende que amar é realmente uma decisão, e não apenas um sentimento.

Você tem duas opções, ou fazer do amor maduro a companheira de sua vida, ou procurar outro amor e outra vida, tentar novamente e desta vez levando em conta que você não pode estar apaixonado para sempre, que deve aceitar certos defeitos e que algumas coisas não são apenas como as queremos, mas por conveniência, acabamos por aceitá-las.

Deixe uma resposta