Conheça as principais fases do amor: Relacionamentos são feitos de ciclos

Conheça as principais fases do amor: Relacionamentos são feitos de ciclos

O amor é como uma droga. O friozinho na barriga, aquela sensação de estar flutuando, sentindo-se tão especial e vendo a outra pessoa como a mais maravilhosa do mundo… É tudo tão lindo no amor que cria um vício.

Muitos filmes, músicas, pinturas, etc., têm o amor como seu tema principal. Mas, o amor não é um sentimento exclusivamente humano. Se a formação de laços de longa duração é considerada um critério para a existência do amor, então outros mamíferos e pássaros também apresentam essa tendência para se apaixonar.

As fases do amor

Um fator importante que contribui para o mistério que cerca a emoção do amor é que ela não é uma simples emoção. A emoção da raiva, por exemplo, é fácil de entender. Alguém faz algo que viola seus direitos ou prejudica seus interesses e você fica com raiva dessa pessoa.

Mas o amor, especialmente o amor romântico, é muito mais complexo do que isso. Para entender melhor as coisas de que é feito o amor, uma boa ideia é pensar no amor como parte das várias fases pelas quais todos passamos quando nos apaixonamos, a partir do momento em que sentimos a primeira pontada de desejo de estabelecer um relacionamento.

Fase 1: Luxúria

A luxúria é a primeira das fases do amor, quando você começa a gostar de uma pessoa. Quando você olha para alguém, o palco é criado para começar a se apaixonar por essa pessoa, como se fosse uma paixão. Você pode gostar de sua aparência física, da maneira como fala, anda ou se move em geral, ou pode se apaixonar por sua atitude e personalidade.

A luxúria é o impulso básico que motiva uma pessoa a procurar vários parceiros. Você pode estar interessado em muitas pessoas, mas muito provavelmente não está procurando estabelecer um relacionamento romântico com todas elas. Nesta fase, você olha um pouco mais para a pessoa com quem deseja estabelecer um relacionamento romântico de longo prazo, especialmente se notar alguma reciprocidade.

Os sintomas físicos da fase de luxúria são intensos ao falar com alguém especial, tremores e até mesmo aumento da frequência cardíaca. Seus hormônios estão se desencadeando nesta fase. A dopamina cria sentimentos de euforia, enquanto a adrenalina e a norepinefrina são responsáveis ​​pelo aumento dos batimentos cardíacos e inquietação.

Os sintomas psicológicos podem incluir excitação, pensamentos fantasiosos com aquela pessoa e ansiedade decorrente do medo de ser rejeitado. 

Causa ansiedade estar constantemente sob pressão para tentar impressionar sua paixão e não fazer nada “bobo” que possa dar a ele uma imagem negativa de você. Mas, essa ansiedade é o que faz você muitas vezes dizer coisas sem sentido, que você age de forma mais desajeitada. Isso ocorre porque você está mais preocupado com aquela pessoa de quem gosta do que com a maneira como fala ou age.

Fase 2: Atração, paixão

Nesta fase você começa a sentir uma forte atração por aquela pessoa especial. Na verdade, nesta fase você fica obcecado por essa pessoa. Isso geralmente acontece se a outra pessoa também mostrar interesse em você. Se a fase de luxúria é mais aberta a diferentes parceiros, a fase de atração se concentra na pessoa que corresponde aos seus sentimentos.

A fase de atração ativa os sistemas de recompensa de seu cérebro à medida que você sente uma fixação avassaladora em seu parceiro. Essa mesma parte do cérebro é ativada em quem sofre de transtorno obsessivo-compulsivo ou TOC. 

Isso significa que você pode passar muito tempo olhando as fotos, olhando perfis nas redes sociais e pode até planejar encontros com aquela pessoa. Você também pode começar a sonhar com ele à noite.

Em última análise, seu cérebro tenta te induzir a pensar que essa pessoa por quem você está fisgado é perfeita para você. Isso faz parte do instinto de preservação da espécie humana, pois graças a esse engano do cérebro, formam-se casais que buscarão a procriação. 

Fase 3: Decisão

Quando a atração romântica passa, chega-se a uma fase em que o efeito cegante dos hormônios e neurotransmissores termina e você começa a ver seu parceiro como ele realmente é. Se essa realidade atende aos seus critérios sobre como deve ser o seu parceiro de longa data, surge o apego ou a união; caso contrário, é rejeitado e o relacionamento romântico é rompido.

Mas isso também pode acontecer ao contrário, ou seja, se seu parceiro o rejeitar após a segunda fase, você afunda nas profundezas do desespero, especialmente se ainda estiver na fase de atração. Porém, se seu parceiro te aceita, a euforia te invade.

Estando na terceira fase, você começa a se fazer perguntas para avaliar se seu parceiro tem um futuro com você. Perguntas como se você pode confiar nele ou se você se vê capaz de compartilhar o resto de sua vida com essa pessoa vão assombrar sua mente. 

Se você responder a essas perguntas afirmativamente, a atração se torna um vínculo estável de longo prazo. É possível que vocês não sintam mais aquela loucura um pelo outro, mas vocês terão a certeza de que querem estar juntos de qualquer maneira.

Nesse estágio de união, as endorfinas e os hormônios vasopressina e ocitocina inundam seu corpo, criando uma sensação geral de bem-estar e segurança que levará a um relacionamento romântico duradouro

Este estágio, portanto, evolui para motivar as pessoas a permanecerem juntas o tempo suficiente para cumprir as responsabilidades com respeito.

Pode acontecer que, neste estágio, você esteja ciente de que algo no relacionamento não se ajusta tão bem quanto deveria, mas ainda assim se apega a isso. Isso fará com que você abrigue ressentimentos que acabarão por romper aquele relacionamento romântico.

Deixe uma resposta