8 Princípios da Felicidade de acordo com Aristóteles

8 Princípios da Felicidade de acordo com Aristóteles

Aristóteles disse que “o objetivo final do homem é a felicidade” e ele está certo, não é verdade? Todos os dias tentamos alcançar a felicidade! É uma emoção tão poderosa que nos ajuda a ser mais saudáveis, a ter relacionamentos pessoais mais positivos e a ser mais produtivo no dia a dia.

Quais são os princípios da felicidade?

1. FÉ SUFICIENTE em reconhecer a realidade da presença de algo muito maior.

2. ESPERANÇA SUFICIENTE para tirar a preocupação do futuro.

3. CARIDADE SUFICIENTE para reconhecer o bem.

4. PACIÊNCIA SUFICIENTE para trabalhar até o final de suas tarefas.

5. VALOR SUFICIENTE para confessar suas falhas e corrigi-las.

6. SAÚDE SUFICIENTE para que o trabalho seja feito com prazer.

7. FORÇA SUFICIENTE para enfrentar dificuldades e superá-las.

8. LUCRO SUFICIENTE para garantir a satisfação de suas necessidades.

Mas lembre-se, a felicidade também inclui aceitar que nem sempre precisamos nos sentir 100%, é estar ciente de que “maus momentos e fracassos são inevitáveis e ter a tranquilidade de saber lidar com eles quando eles chegarem”.

E lembre-se de algo muito importante:

1. Ninguém vai me dar felicidade. Só eu posso senti-la.

2. Eu sou um ser único em toda a terra. Ninguém me entende melhor do que eu e ninguém sabe o que eu preciso melhor do que eu.

3. O que recebo agora é o que semeei ontem. E o que semeio hoje será o que receberei amanhã.

4. Nem o passado nem o futuro podem me machucar. Somente o presente tem valor na minha vida.

5. Apenas eu decido o que devo fazer neste momento.

6. Somente no amor e a paz interior podem ser tomadas as decisões corretas.

7. Nas minhas decisões, sempre levarei em consideração o benefício dos outros.

8. Meu rosto é o reflexo do meu estado interior.

9. Eu sou uma pessoa a serviço da humanidade.

10. Tenho uma missão na vida: ser feliz e fazer os outros felizes.

A felicidade, como diz Aristóteles, é o que todos procuramos, mas para alcançá-la, devemos agir de acordo com a nossa natureza humana, não basta viver, mas viver bem.

Se esquecemos quem somos e qual é a nossa natureza, nos corrompemos e é quando deixamos de assumir a responsabilidade por nossas ações e acontece que deixamos de lado a liberdade por deboche.

Deixe uma resposta